Detronic vê futuro para geração compartilhada pós Lei 14.300: “ainda há muito para crescer”

Share

A Detronic Energia acumula 103 MW instalados ou em construção de geração solar distribuída no Brasil, concentrados principalmente no estado de Minas Gerais e na modalidade de geração compartilhada, em que uma mesma usina gera créditos para unidades consumidoras de diferentes titularidades. Esse modelo, conhecido também como assinatura de energia solar, apesar de ter sido mais fortemente afetado pelo marco legal da geração distribuída (lei 14.300), está só começando, diz o CEO da empresa, André Barreto.

“Ainda não cresceu o que pode e tem um espaço gigantesco. Vamos olhar para Minas Gerais: são 7,5 milhões de consumidores, e só 490 mil têm geração distribuída incluindo os sistemas no próprio telhado. Menos de 10% do mercado atendido em Minas Gerais. E uma economia na conta de energia, por mais que não seja na proporção que foi no início, faz diferença. Vai crescer muito ainda. Esse ano deu uma desacelerada no varejo, mas vai voltar”, diz o executivo.

A companhia tem em pipeline 200 MW de projetos enquadrado na GD I, ou com o chamado “direito adquirido”, que valoriza mais o MWh injetado na rede. Desse montante, 80% está localizado em Minas Gerais.

Para a expansão com projetos enquadrados na GD II, a ideia é adquirir e desenvolver projetos em outros estados, “onde faz mais sentido”. “Nosso trabalho é muito preciso, em relação a quanto de MWh por metro quadrado está sendo gerado e rentabilizado, gastamos muita energia para entender e fazer essa conta, desde o desenvolvimento e construção até a operação”, diz Barreto.

Ele acrescenta que a gradual abertura do mercado livre para consumidores comerciais também deve aquecer o mercado de usinas de 1 MW a 5 MW, assim como novos modelos e nichos vão surgir, como os projetos agrivoltaicos.

A Detronic Energia foi criada em 2019, para atuar na construção de usinas e atualmente conecta investidores com empresas consumidoras ou interessadas a ofertar energia solar para seus clientes e colaboradores. Por conta da experiência na construção e perspectiva de expansão puxada pelo mercado livre, a empresa também enxerga a possibilidade de atuar fornecendo o EPC de projetos centralizados.

White Label

A empresa já executou mais de 126 usinas, tanto para instituições como o banco Sicoob e a MRV quanto usinas próprias que recebem investimentos de fundos estrangeiros, envolvendo mais de 90 parceiros.

Recentemente, a Detronic anunciou uma parceria com o fundo britânico Appian Capital para construir 62,4 MWp no modelo de geração compartilhada ofertando economias de 15% a 20% para o cliente final.  Também firmou uma parceria com o Cruzeiro Esporte Clube Associação, para ofertar aos associados do clube uma assinatura de energia solar que pode resultar em até 15% de economia na conta de energia.

O modelo de associar as usinas da empresa Detronic a uma marca conhecida, conhecido como white label, possibilita o acesso aos clientes que já conhecem e confiam naquela marca. “Do nosso lado chegamos mais rápido, mais fácil, aos consumidores finais e do lado das marcas, ganham uma receita acessória, associada a questão da sustentabilidade”, comenta Barreto.

Este conteúdo é protegido por direitos autorais e não pode ser reutilizado. Se você deseja cooperar conosco e gostaria de reutilizar parte de nosso conteúdo, por favor entre em contato com: editors@pv-magazine.com.

Conteúdo popular

Chamada da Aneel recebe propostas para 19 plantas piloto de hidrogênio que somam 100 MW
19 julho 2024 O valor previsto de investimento, considerando as 24 propostas, incluindo além das plantas a produção de equipamentos, é de R$ 2,7 bilhões, o que repr...