Ferramenta digital da CELA revela estados com maior atratividade para GD solar no Brasil

Share

A consultoria CELA (Clean Energy LatinAmerica), especializada em assessoria financeira e consultoria estratégica para empresas e investidores do setor de energia renovável na América Latina, lançou uma plataforma interativa que mostra a atratividade financeira dos projetos de energia solar na geração distribuída (GD), tanto em telhados quanto em usinas remotas, com diversas sensibilidades.

O sistema indica, por exemplo, que, para empreendimentos de geração compartilhada de 700 kW, com o chamado direito adquirido (GD I), as áreas de distribuição com possibilidade de ofertar maior desconto ao consumidor são Minas Gerais (26,8% de desconto sobre uma tarifa de R$ 952/MWh), Alagoas (26%; R$ 1.098), Amapá (25,3%; R$ 1.111), Mato Grosso do Sul (22,2%; R$ 1.120) e Pernambuco (19,1%; R$ 990).

Já para sistemas de 10 kW instalados em telhados, com 60% de simultaneidade entre geração e consumo, sob as novas regras previstas na lei 14.300, vendido para o consumidor final com uma margem de 10%, os estados com maior atratividade são Alagoas (com desconto de 41,1%), Amapá (38,6%), Pará (37,4%), Mato Grosso do Sul (36,8%) e Pernambuco (36,3%). Alagoas e Pará são atendidos por concessionárias do grupo Equatorial. 

A plataforma integra as mudanças regulatórias trazidas pela publicação da Lei 14.300/2022, que passou a vigor em janeiro deste ano com uma série de regras e cobranças tarifárias aos novos sistemas fotovoltaicos instalados. As atualizações são mensais com base nas tarifas publicadas para cada área de distribuição de energia. 

Além da sensibilidade às diferentes áreas de concessão, a plataforma reflete os diversos modelos de negócios (autoconsumo, autoconsumo remoto, geração compartilhada), considerando os respectivos enquadramentos regulatórios, como direito adquirido ou pré-lei 14.300, regra de transição e regra definitiva ou pós-marco legal.

“Desta forma, os indicadores de atratividade da plataforma poderão fazer evoluir a rota de investimentos em projetos de GD nas várias regiões brasileiras e, assim, abrir novas possibilidades de atuação estratégica para as empresas termos de estratégias e modelos de negócios”, diz a CEO da CELA, Camila Ramos. “A plataforma também será um bom indicador para a tomada de decisão de M&A (fusões e aquisições) no segmento”, acrescenta.

O índice de atratividade na plataforma da CELA leva em consideração uma série de critérios, como regulação, tanto para o modelo de negócios selecionado e tamanho do projeto, como em que regra da lei 14.300 o projeto se enquadra (se GD I, II ou III). Também contempla tarifas das distribuidoras para consumidor B3, fator de produção (considerando variações de projetos em telhados, estruturas fixas e trackers), operação e manutenção (O&M), o capex, os impostos sobre a energia e as isenções tributárias relacionadas a cada estado e cada modelo de negócios da GD.

 

Este conteúdo é protegido por direitos autorais e não pode ser reutilizado. Se você deseja cooperar conosco e gostaria de reutilizar parte de nosso conteúdo, por favor entre em contato com: editors@pv-magazine.com.

Conteúdo popular

Chamada da Aneel recebe propostas para 19 plantas piloto de hidrogênio que somam 100 MW
19 julho 2024 O valor previsto de investimento, considerando as 24 propostas, incluindo além das plantas a produção de equipamentos, é de R$ 2,7 bilhões, o que repr...