BRS e Grupo 4M fecham parceria para cinco novas usinas GD em São Paulo e Ceará

Share

A Usinas Brasil Solar (BRS) lançará cinco novos projetos para usinas solares de geração distribuída, sendo dois projetos localizados no Ceará (Guaraci, de 5 MW e Dois Irmãos, de 1 MW) e três em São Paulo (Bebedouro, de 3 MW, Taiúva, de 1 MW e Araraquara, 1 MW), somando R$ 65 milhões em investimentos e 11 MW de potência com o apoio de outros investidores.

A parceria com a BRS marca a entrada do Grupo 4M Participações, que já possui investimentos no setor de energia, infraestrutura, mercado imobiliário e mercado financeiro, no mercado de geração distribuída, buscando aumentar sua posição no mercado de infraestrutura.

“O investimento em geração distribuída representa uma alternativa interessante de baixíssimo impacto ambiental, sustentável e de rápida implantação que contribui não só para limpeza da matriz energética, mas também para suprir a futura demanda de energia do país com o aumento da eletrificação do consumo das famílias”, ressalta do diretor da Usinas Brasil Solar, Rafael D´Angelo.

Para o diretor da BRS, a parceria nos projetos de usinas solares com o Grupo 4M levará a BRS a um novo patamar no setor. “Acreditamos que a expertise e o suporte dos novos investidores serão fundamentais para alcançar esse objetivo. Além disso, a parceria também permitirá que a Usinas Brasil Solar acesse novos mercados e diversifique suas operações. Isso garantirá à empresa uma posição mais forte e resiliente no mercado de energia solar, garantindo seu crescimento sustentável no longo prazo”, diz.

Pipeline de mais de 80 MW em projetos

A BRS conta com um pipeline de mais de 80 MW em projetos. “Os investidores estão cada vez mais interessados em negócios de baixo risco, previsíveis e com estabilidade de distribuição. Os projetos da empresa se enquadram nesses conceitos e foram desenvolvidos com a possibilidade de diferentes tamanhos de usinas por região”, comenta o diretor da empresa.

A empresa busca parceiros interessados em desenvolver projetos em seu pipeline. “Nosso principal diferencial em relação a outras empresas é que oferecemos uma solução verticalizada, ou seja, que abrange todas as etapas do desenvolvimento do projeto fotovoltaico. Isso proporciona segurança, velocidade e controle aos investidores, além de mitigar os principais riscos e problemas enfrentados no mercado”, completa D´Angelo.

A BRS será responsável por todas as atividades necessárias para viabilizar o projeto de uma usina solar, desde o desenvolvimento até a operação e manutenção das usinas. Isso inclui obtenção de licenças de conexão, fornecimento de equipamentos, logística, obras civis e eletromecânicas, montagem da infraestrutura elétrica, originação e gestão de clientes de geração distribuída, e estruturação de produtos financeiros.

Este conteúdo é protegido por direitos autorais e não pode ser reutilizado. Se você deseja cooperar conosco e gostaria de reutilizar parte de nosso conteúdo, por favor entre em contato com: editors@pv-magazine.com.

Conteúdo popular

Chamada da Aneel recebe propostas para 19 plantas piloto de hidrogênio que somam 100 MW
19 julho 2024 O valor previsto de investimento, considerando as 24 propostas, incluindo além das plantas a produção de equipamentos, é de R$ 2,7 bilhões, o que repr...