Uma avaliação do potencial de sistemas agrovoltaicos no Brasil

Share

Um grupo de pesquisadores brasileiros publicou um artigo na revista Applied Energy com uma avaliação do estado da arte da tecnologia agrivoltaica em todo o mundo e uma visão geral específica do Brasil.Embora os sistemas agrivoltaicos (AVS) tenham ganhado força globalmente, o país ainda está nos estágios iniciais de implementação, com apenas alguns projetos-piloto até o momento.

Mas os pesquisadores avaliam que as regulamentações existentes sobre geração distribuída e as oportunidades de financiamento oferecem potencial para a adoção de mais sistemas agrovoltaicos no Brasil, especialmente para os pequenos agricultores. Além disso, a adaptabilidade dos AVS pode gerar benefícios técnicos e sociais nas diversas regiões agrícolas brasileiras.

O AVS pode ser categorizado em duas configurações principais: sistemas elevados com produção agrícola abaixo do arranjo fotovoltaico e sistemas fotovoltaicos verticais no solo com culturas cultivadas entre fileiras de módulos fotovoltaicos. Portanto, as aplicações podem incluir produção agrícola e alimentar, produção pecuária, fornecimento de serviços ecossistêmicos e estufas solares.

“Entre as diversas aplicações, as configurações técnicas do AVS também variam, e seus benefícios podem variar desde o fornecimento de sombreamento, proteção contra geada, granizo ou calor extremo até a redução das taxas de evaporação. Essa ampla gama de configurações de AV pode ser um aspecto positivo da tecnologia para o Brasil, considerando a vasta diversidade de escalas de estabelecimentos agrícolas e características climáticas”, dizem os autores da pesquisa.

Além da versatilidade, os benefícios incluem a redução dos requisitos de irrigação e da erosão, a proteção contra geadas e granizo, o reforço da proteção das plantas e o aumento da eficiência da geração de energia, facilitando um melhor arrefecimento dos módulos fotovoltaicos e/ou aumentando a eficiência dos módulos bifaciais.

“Só agora o Brasil está despertando para o potencial do agriPV, especialmente para o pequeno produtor agrícola, onde a solar fotovoltaica pode agregar renda às famílias rurais que muitas vezes lutam para sobreviver apenas com suas atividades agrícolas e estão expostas a questões ambientais como secas, tempestades de granizo e inundações”, diz um dos autores da pesquisa, Ricardo Rüther, à pv magazine.

No entanto, na avaliação dos pesquisadores, será crucial enfrentar desafios como a adaptação da tecnologia às práticas e condições agrícolas locais, a falta de regulamentos ou diretrizes específicos sobre sistemas agrivoltaicos e a falta de profissionais especializados.

Com base em experiências internacionais, o Brasil pode aproveitar o AVS para promover o acesso à energia limpa e capacitar as comunidades rurais, unindo o seu potencial agrícola e energético às necessidades sociais críticas.

Rüther observa que o Ministério do Desenvolvimento Agrícola e Agricultura Familiar está preparando um programa para criar acesso ao financiamento de pequenas usinas fotovoltaicas para os pequenos produtores agrícolas.

O artigo “An evaluation of the potential of agrivoltaic systems in Brazil“, publicado na Applied Energy, inclui a localização e a descrição técnica detalhada de cinco projetos agrovoltaicos no Brasil, juntamente com informações sobre sua capacidade instalada, produção de energia, características agrícolas e informações disponíveis sobre os resultados.

Origem do conceito

A tecnologia agrivoltaica foi mencionada academicamente pela primeira vez em 1981 pelo professor Adolf Goetzberger e seu colega Armin Zastrow em uma publicação na revista Solar Energy. O artigo intitulado “On the coexistence of solar energy conversion and plant cultivation” serviu como passo inicial para a criação do conceito de sistemas agrivoltaicos. No entanto, este conceito permaneceu largamente esquecido durante muitos anos até que o primeiro sistema foi criado em 2004, construído no Japão por Akira Nagashima, que se referiu ao modelo como “compartilhamento solar”.

“Tive a oportunidade de fazer pós-doutorado no Fraunhofer ISE com Adolf Goetzberger e Armin Zastrow, que criaram o conceito de agriPV, numa época em que a tecnologia fotovoltaica ainda era muito cara.
Com o declínio dos custos da energia fotovoltaica, estou feliz por ver que isso está começando a acontecer em muitos lugares”, comenta o professor Rüther.

Impactos sociais

O Brasil enfrenta desafios tanto de insegurança alimentar como de pobreza energética, afetando particularmente as suas populações rurais e marginalizadas, apesar de ser uma potência agrícola global. Em números, 11% dos domicílios brasileiros, aproximadamente 8 milhões de unidades consumidoras, ainda vivem em condições de pobreza energética, e nas áreas rurais esse número chega a 16%. E mais de 60 milhões de brasileiros enfrentaram algum nível de insegurança alimentar em 2022, com os níveis mais graves afetando a população nas regiões Norte e Nordeste e áreas rurais

Ao mesmo tempo, o Brasil possui recursos excepcionais de radiação solar e a tecnologia solar fotovoltaica tem crescido rapidamente no país. A tecnologia agrivoltaica pode representar uma aplicação fotovoltaica promissora para um uso mais eficiente do solo, combinando a geração de energia com atividades agrícolas e criando oportunidades de geração de renda.

Solar no Agronegócio

A agrivoltaica é uma das diversas aplicações fotovoltaica no agronegócio. E os produtores rurais, que têm acesso a linhas de financiamento incentivado, terão um incentivo a mais para investir em geração própria de energia, com o fim de descontos tarifários a partir de 2024.

Este conteúdo é protegido por direitos autorais e não pode ser reutilizado. Se você deseja cooperar conosco e gostaria de reutilizar parte de nosso conteúdo, por favor entre em contato com: editors@pv-magazine.com.