TIM fecha 2023 com 101 usinas de energia renovável, sendo 80% proveniente da fonte solar

TIM fecha 2023 com 101 usinas de energia renovável

Share

A TIM iniciou a operação da sua 101ª usina de energia renovável, localizada em Brasília. A nova planta amplia ainda mais o projeto de geração distribuída da operadora, que promove o abastecimento da rede com a utilização de usinas de fontes renováveis arrendadas de parceiros. Agora, a companhia chega a uma produção que representa 54% do consumo total da empresa, que tem priorizado a energia solar, representando cerca de 80% do total de geração, além das usinas hídricas e de biogás.

Essa autogeração é complementada com aquisição no mercado livre e compra de certificados de energia renovável (I-RECs) para manter – desde 2021 – o patamar de 100% de energia limpa no seu consumo total.

Como explica o VP de Recursos Corporativos da TIM, Bruno Gentil, a ideia é depender cada vez menos dessa ‘complementação’, apostando na ampliação do número de usinas: “queremos ser a operadora com maior índice de autogeração de energia renovável e estamos caminhando para isso. Agora, ultrapassamos mais de 100 unidades que alimentam nossas operações em diferentes estados, com predominância de plantas solares, liderando os avanços em geração distribuída de energia no setor de telecomunicações e comprometidos com a agenda ESG da companhia”.

Atualmente, a TIM mantém usinas em 22 estados e no Distrito Federal, com geração de 31,7 GWh mensais, o suficiente para abastecer 17,5 mil antenas. A operadora tem priorizado a energia solar, que representa cerca de 80% do total da planta, e conta também com usinas hídricas e de biogás. São mais de 20 parceiros envolvidos, incluindo a Faro Energy, que opera mais de 40 usinas com a TIM, incluindo a recém-lançada em Brasília, com produção de 1.308 MWh/ano.

Essas parcerias não apenas fortalecem o compromisso da TIM na implementação de práticas sustentáveis, como também pode beneficiar as comunidades onde as plantas estão localizadas. Desenvolvidas, principalmente, para alimentação de torres e antenas, a produção dessa energia é injetada na rede da distribuidora local. Além disso, o projeto incentiva a criação de postos de trabalho, voltados para a construção e a manutenção das usinas. Estimativa da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar) diz que cada megawatt de energia solar instalada demanda uma força de trabalho de 30 novos empregos.

Este conteúdo é protegido por direitos autorais e não pode ser reutilizado. Se você deseja cooperar conosco e gostaria de reutilizar parte de nosso conteúdo, por favor entre em contato com: editors@pv-magazine.com.

Conteúdo popular

Chamada da Aneel recebe propostas para 19 plantas piloto de hidrogênio que somam 100 MW
19 julho 2024 O valor previsto de investimento, considerando as 24 propostas, incluindo além das plantas a produção de equipamentos, é de R$ 2,7 bilhões, o que repr...