Paraná tem quatro universidades com energia solar via programa de eficiência energética

Share

A Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Unioeste, inaugurou, no campus de Foz do Iguaçu, um sistema de geração de energia fotovoltaica com 572 painéis solares instalados de 550 Watts cada, o objetivo é que a unidade seja capaz de gerar toda a energia elétrica consumida. A usina recebeu o investimento de R$ 1,04 milhão através do Programa de Eficiência Energética da Copel para a instalação dos painéis solares e de medidas de conscientização para consumo eficiente. Uma delas é a troca de 2.505 lâmpadas fluorescentes por lâmpadas e luminárias com tecnologia LED, o que causa impacto direto na conta de luz.

De acordo com o reitor Alexandre Weber, a Unioeste desenvolveu um projeto de eficiência energética que vai além da geração de energia por uma fonte sustentável, envolve também ações de economia de energia, de conscientização e divulgação socioambientais.

“A Unioeste vem buscando se enquadrar nas melhores práticas de desenvolvimento sustentável e busca cumprir a Agenda 2030 e agora temos o campus de Foz do Iguaçu autossuficiente em energia e estamos buscando o mesmo para todos os campus da universidade. Já temos mais um projeto pronto em fase de busca de recursos e programamos desenvolver a mesma proposta nos cinco campus e no hospital universitário”, disse o reitor.

Outras três universidades estaduais, a Universidade Estadual de Londrina (UEL), a Universidade Estadual de Maringá (UEM) e a Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro), também foram contempladas pelo Programa de Eficiência Energética da Copel e já produzem energia fotovoltaica há mais de três anos.

A usina da UEL ocupa uma área de aproximadamente 2 mil m² para as 1.020 placas de captação solar, e gera em média 400MWh/ano. Na UEM, estão instalados 1.440 painéis solares, que produzem em média 574 MWh/ano. Já na Unicentro são 179 placas fotovoltaicas capazes de gerar 80kWp.

Juntamente com medidas de economia como a substituição de lâmpadas de baixo consumo. a energia gerada pelas três usinas fotovoltaicas já instaladas poderia manter 535 residências durante um ano, considerando consumo médio de 152,2 kWh/mês.

As universidades estaduais do Paraná buscam desenvolver a ciência e inovar práticas de sustentabilidade que estejam alinhadas à Agenda 2030, das Nações Unidas, pacto global assinado durante a Cúpula das Nações Unidas, em 2015, pelos 193 países membros. Os projetos e ações, como os de eficiência energética, são voltados para o cumprimento da pauta Energia Acessível e Limpa que integra os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030.

Com a intenção de ampliar, cada vez mais, o retorno social das ações governamentais, a partir da implementação e interiorização dos ODS, o governo do estado, por meio do Conselho Estadual de Desenvolvimento Econômico e Social (Cedes), tem priorizado políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sustentável do Paraná. Para isso, o Programa de Eficiência Energética da Copel, através de chamadas públicas, tem financiado projetos que demonstrem importância e viabilidade econômica de melhoria da eficiência energética. As diretrizes dos investimentos são estabelecidas pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Este conteúdo é protegido por direitos autorais e não pode ser reutilizado. Se você deseja cooperar conosco e gostaria de reutilizar parte de nosso conteúdo, por favor entre em contato com: editors@pv-magazine.com.