Importações de polissilício da China caíram 23% em 2022, segundo Bernreuter Research

Share

Da pv magazine global

As importações chinesas de polissilício caíram 23% ano a ano, para 88.093 toneladas métricas (MT) em 2022, devido ao aumento da nova capacidade de produção no país, de acordo com um novo relatório da Bernreuter Research. Os declínios ocorrem após a grave escassez de polissilício em 2021.

As importações anuais de polissilício para a China caíram quase pela metade, de seu pico de 158.918 MT em 2017. Agora estão perto dos níveis de 2012, quando atingiram 82.760 MT.

A maior queda foi observada nas importações do Japão. Em 2021, a Sharp descarregou grandes volumes de estoque de polissilício depois que o contrato de compra de longo prazo da empresa com a Hemlock Semiconductor expirou em 2020. Isso elevou as importações do Japão para um recorde de 15.431 MT em 2021. No entanto, em 2022, as importações caíram 60 % para 6.129 MT.

Um desenvolvimento semelhante ocorreu em Taiwan, onde ex-produtores de wafers solares ainda estão vendendo estoques de polissilício que possuem de contratos de longo prazo para a China. As importações de Taiwan caíram 50% de 6.899 MT em 2021 para 3.480 MT em 2022.

A subsidiária malaia de polissilício do grupo químico sul-coreano OCI também exportou significativamente menos para a China. Seus volumes de remessa caíram 23% de 29.727 MT para 22.944 MT, devido a trabalhos de manutenção mais longos do que o esperado na fábrica da OCI.

As importações da Wacker da Alemanha, o maior fornecedor estrangeiro de polissilício para a China, caíram 6,3%, de 51.316 MT para 48.070 MT. Enquanto isso, a Hemlock Semiconductor, com sede nos EUA, reduziu seus volumes de 4.811 MT para 2.785 MT, depois que os dois fabricantes de polissilício concluíram contratos de vendas com a fabricante chinesa de módulos JinkoSolar, que abriu uma nova fábrica de wafer com uma instalação de wafer de 7 GW no Vietnã no início de 2022.

A Trina Solar é a próxima grande fabricante chinesa de módulos que busca mover a produção em resposta às investigações antidumping e de direitos compensatórios em andamento nos Estados Unidos. Espera-se que a Trina abra uma fábrica de wafer de 6,5 GW no Vietnã em meados de 2023.

“Com a Lei Uigur de Prevenção ao Trabalho Forçado que proíbe produtos de Xinjiang e a decisão anti-circunvenção contra módulos solares produzidos com wafers chineses no sudeste da Ásia, os Estados Unidos estão impulsionando a demanda por painéis solares feitos de polissilício e wafers não provenientes da China, ” disse Bernreuter Research. “Ao mesmo tempo, as importações de polissilício para a China encolherão ainda mais devido à enorme expansão da capacidade doméstica. Consequentemente, o futuro da matéria-prima de polissilício não chinesa está fora da China”.

Estimativas preliminares de produção mostram a participação da China na produção global de polissilício de grau solar em 88% em 2022, acima dos 82% em 2021 e 55% em 2017. Impulsionados pelos grandes lucros vistos em 2022, os analistas do setor esperam que os projetos de expansão de polissilício existentes se materializem em 2023, com a produção aumentando rapidamente em direção a um eventual excedente.

Este conteúdo é protegido por direitos autorais e não pode ser reutilizado. Se você deseja cooperar conosco e gostaria de reutilizar parte de nosso conteúdo, por favor entre em contato com: editors@pv-magazine.com.

Conteúdo popular

Brasil tem mais de 140 GW de projetos solares outorgados
24 abril 2024 Levantamento realizado pela Greener com base em dados atualizados até fevereiro identificou um aumento de 68% na oferta de novos projetos de geração s...