Brasil consumiu 3,7% mais energia elétrica em 2023, informa CCEE

Share

No ano passado, o Brasil consumiu 69.363 MWm de energia elétrica, 3,7% a mais do que em 2022, segundo estudo da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). As ondas de calor que atravessaram o país no segundo semestre e o bom desempenho de alguns setores da economia foram os principais fatores para o aumento.

No mercado regulado, em que os consumidores compram sua energia diretamente das distribuidoras, a alta foi de 2,5%. O uso mais intenso de eletrodomésticos como ventiladores e ar-condicionado alavancou a demanda, especialmente nos últimos meses do ano, quando as temperaturas bateram recorde em boa parte do país.

Já no mercado livre, no qual é possível escolher o fornecedor de energia e negociar condições de contrato, o consumo aumentou 5,9% na comparação anual. O crescimento reflete uma combinação da maior atividade em alguns setores produtivos, a chegada de novos entrantes no segmento e o impacto do calor em ramos como Comércio e Serviços, que também usaram mais os equipamentos de refrigeração.

Para o presidente do Conselho de Administração da CCEE, Alexandre Ramos, “os dados de 2023 mostram um expressivo crescimento no consumo brasileiro em relação a 2022, o aumento da geração de energia renovável no país, além de uma ampliação do mercado livre de energia”.

Consumo por atividade econômica

A CCEE acompanha o consumo em 15 setores da economia que compram energia elétrica no mercado livre. Os três que tiveram o maior avanço porcentual em 2023, na comparação com o ano anterior, foram saneamento (23,6%), comércio (16,8%) e serviços (14,5%).

O primeiro foi positivamente influenciado pela migração de empresas para o ambiente livre após a edição do novo marco legal do Saneamento Básico. Nos outros dois segmentos, a alta resulta da maior atividade em supermercados, shopping centers e outros estabelecimentos, além do uso mais intenso de ar-condicionado, devido às temperaturas elevadas. A indústria de Metalurgia e Produtos de Metal apresentou o maior crescimento em termos absolutos, com uma produção estimulada pelo mercado internacional.

Apenas três ramos reduziram seu consumo: veículos (-0,4%), têxteis (-1,3%), e químicos (-1,7%).

 Consumo por região

Quase todos os estados registraram um consumo maior em 2023, em relação ao ano anterior. Destaque para o Maranhão (33,8%), Acre (11,2%) e Mato Grosso (9,6%), que registraram temperaturas acima da média histórica. Apenas dois estados reduziram o consumo: Rio Grande do Sul, com um leve declínio de 0,3%, e o Amapá, com redução de 1%, ambos influenciados por um volume maior de chuvas no período.

Este conteúdo é protegido por direitos autorais e não pode ser reutilizado. Se você deseja cooperar conosco e gostaria de reutilizar parte de nosso conteúdo, por favor entre em contato com: editors@pv-magazine.com.