Com os módulos fotovoltaicos na China atingindo preços recordes, há uma chance de fabricação local de energia fotovoltaica em outro lugar?

Share

Da pv magazine Global

À medida que os módulos fotovoltaicos na China atingem preços recordes, tendo caído de 0,23 dólares/W em janeiro de 2023 para 0,13 dólares/W em novembro de 2023, os esforços de produção fotovoltaica na Austrália, Europa, Índia, América do Norte e do Sul parecem fazer pouco sentido.

No primeiro semestre de 2023, apesar das fortes remessas superiores a 252 GW, a utilização geral da capacidade de produção fotovoltaica foi em média de 56%, com a utilização de TOPCon e PERC tipo n atingindo 80% e 79%, respectivamente.

Com quase 80% das remessas provenientes diretamente da China, 18% de outros países do Sudeste Asiático e menos de 2% dos EUA e da Europa, é evidente que mais módulos fotovoltaicos chineses baratos podem fluir para qualquer mercado que não imponha barreiras. ou impostos para módulos fotovoltaicos chineses/asiáticos.

Este oligopólio levanta preocupações sobre o controlo ou influência sobre a cadeia de abastecimento solar, bem como sobre a pegada de carbono de tais módulos fotovoltaicos. Economias de escala, integração da cadeia de abastecimento, custos de energia relativamente baixos e produtividade laboral fazem da China o fabricante de módulos solares mais competitivo do mundo.

O Parlamento Europeu está a avançar lentamente no sentido de verificar se o quadro de financiamento europeu é adequado para alcançar a soberania europeia da produção de módulos fotovoltaicos até 2030, tendo em conta toda a cadeia de valor da indústria fotovoltaica, que é a única forma de alcançar o objetivo estratégico de resiliência. Produção fotovoltaica europeia.

As associações da indústria de energia solar estão presentes na maioria dos países, com o mandato de representar diversos interesses de grupos, como instaladores, fabricantes e importadores de módulos fotovoltaicos, inversores e baterias, bem como varejistas, pesquisadores e lobistas “que solicitaram uma união de profissionais com ideias semelhantes para que todos os vários interesses e preocupações da indústria solar possam ser efetivamente refletidos sob o mesmo teto.”

Em todos os países, a adesão é composta principalmente por instaladores, que estão interessados em obter o equipamento fotovoltaico mais barato possível, independentemente da origem, desde que os preços sejam baixos e a qualidade seja aceitável. Como a instalação de sistemas fotovoltaicos emprega cerca de dez vezes mais pessoas do que toda a cadeia de valor de produção de módulos fotovoltaicos, e os módulos fotovoltaicos baratos são o principal motor do crescimento exponencial na adoção de energia fotovoltaica na maioria dos mercados, defender a produção local enfrenta um conflito de interesses por parte destas associações.

Após um forte movimento para levar a produção fotovoltaica para a Europa, os EUA e a Índia nos últimos dois anos, os preços dos módulos fotovoltaicos em 2023 tornaram o negócio de produção solar nestes países pouco competitivo. Para atingir emissões líquidas zero, o mundo necessitará de cadeias de abastecimento mais diversificadas para satisfazer a crescente procura de módulos solares, e outros países onde a utilização de energia fotovoltaica está a aumentar rapidamente, como a Austrália e o Brasil, têm tudo o que é preciso para serem grandes fornecedores.

Mais de 80% da atual produção global de energia solar fotovoltaica utiliza tecnologia desenvolvida em laboratórios australianos. O silício fotovoltaico é uma indústria que utiliza muita energia: o Brasil é um grande produtor de silício de grau metalúrgico, com uma das menores pegadas de carbono na produção de eletricidade em todo o mundo, o que é importante para a imagem solar fotovoltaica e a pegada de carbono.

Em julho de 2023, o Australian PV Institute divulgou o estudo “Silicon to Solar (S2S) Study – Phase 1: Market Assessment Report”, avaliando se partes ou toda a cadeia de valor de fabricação de PV podem estar operacionais na Austrália. O estudo faz uma avaliação de mercado da atual cadeia de fornecimento de energia fotovoltaica e discute opções para aumentar a produção na Austrália. Estas opções devem estar alinhadas com três princípios orientadores:

  • Viável: A etapa de produção na cadeia de valor estabelecida na Austrália precisa ser globalmente competitiva e economicamente viável a longo prazo.
  • Relevante: A instalação de fabricação precisa ter uma escala que seja apropriada e relevante para a futura demanda fotovoltaica australiana e global.
  • Oportuno e relevante para apoiar as metas de redução das emissões de carbono: A capacidade de produção precisa ser estabelecida dentro de um prazo necessário para atingir zero emissões líquidas até 2050.

Uma ampla gama de parceiros e colaboradores da indústria foi envolvida para garantir que a avaliação seja tão relevante quanto possível e que o estado futuro credível reflita as condições sob as quais uma empresa racional estabeleceria a produção na Austrália.

Com dezenas de milhares de empresas empregando mais de 240 mil instaladores e prestadores de serviços de O&M, o Brasil viu mais de 1 GW/mês de novos sistemas fotovoltaicos entrando em operação em 2023. À medida que notícias sobre energia fotovoltaica de baixo custo em telhados se espalham por mais de 80 países, milhões de unidades consumidoras disponíveis no país, e com ainda “apenas” cerca de 2 milhões de sistemas fotovoltaicos instalados em telhados, há muito espaço para crescer. Esses instaladores desejam os preços mais baixos possíveis para os módulos fotovoltaicos e estão fazendo lobby contra quaisquer medidas para proteger a pequena indústria local de fabricação de módulos fotovoltaicos que possam resultar em preços mais elevados dos módulos fotovoltaicos.

A China tem ganhado espaço no Brasil, principalmente pela isenção de impostos de importação, o que soma uma diferença entre 30% e 35% em relação ao módulo fabricado nacionalmente. Os módulos fotovoltaicos fabricados no Brasil ganham competitividade apenas em termos de financiamento, realizado através de crédito a juros baixos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, mas com módulos chineses a US$ 0,13/W ou menos, mesmo o financiamento a juros baixos não é suficiente para tornar competitiva a produção local de módulos fotovoltaicos.

Soluções mais criativas, que vão além de taxas, impostos e subsídios, devem ser criadas para que a fabricação local de módulos fotovoltaicos ocorra em mercados que instalam dezenas de GW de energia fotovoltaica por ano. Um exemplo seriam as licitações públicas, nas quais os governos priorizariam o mercado nacional em níveis compatíveis com a capacidade produtiva local, e o restante poderia ser adquirido no exterior.

Da perspectiva da Sociedade Internacional de Energia Solar, e da visão de um mundo com 100% de energia renovável para todos, utilizada de forma sensata e eficiente, a produção de módulos fotovoltaicos não deve tornar-se um oligopólio e não deve ser concentrada num canto do mundo.

Autor: Prof. Ricardo Rüther (UFSC).

ruther@gmail.com

ISES, a Sociedade Internacional de Energia Solar, é uma ONG credenciada pela ONU, fundada em 1954, que trabalha em prol de um mundo com energia 100% renovável para todos, usada de forma eficiente e sensata.

Os pontos de vista e opiniões expressos neste artigo são dos próprios autores, e não refletem necessariamente os defendidos pela pv magazine.

Este conteúdo é protegido por direitos autorais e não pode ser reutilizado. Se você deseja cooperar conosco e gostaria de reutilizar parte de nosso conteúdo, por favor entre em contato com: editors@pv-magazine.com.