Austrália visa 20% de participação de mercado com fabricação de módulos solares nacionais

Share

Da pv magazine Global

Estimativas sugerem que a Austrália precisará instalar quase 28 mil painéis solares por dia nos próximos seis anos para cumprir suas metas de descarbonização e energia renovável em 2030.

O ministro federal da Energia, Chris Bowen, indicou que o setor produtivo local pode alcançar uma grande fatia desse mercado. Ele disse que, em “circunstâncias ideais”, cerca de 20% das necessidades de painéis solares do país poderiam ser satisfeitas pela produção nacional.

“Colocamos 60 milhões de painéis solares em nossos telhados na última década. Precisamos colocar mais 60 milhões nos próximos seis anos”, disse. “E eu realmente não acho que seja sustentável ter apenas 1% de módulos feitos na Austrália de forma contínua.”

Bowen disse que o programa Solar Sunshot levará tecnologia, inovação, know-how e habilidades australianas e permitirá competir com a Lei de Redução da Inflação nos Estados Unidos e com o apoio dos governos às indústrias em outros lugares.

“Nunca dissemos que podemos fazer tudo o que precisamos localmente ou que podemos fazer cada pedacinho da cadeia de suprimentos ou fazer tudo, o que queremos é uma cadeia de suprimentos mais diversificada”, disse ele. “Queremos fazer mais coisas aqui”.

O governo australiano comprometeu até AUD 1 bilhão de financiamento para o programa Solar Sunshot, para construir e apoiar capacidades de fabricação doméstica em toda a cadeia de suprimentos fotovoltaica, incluindo produção de polissilício, produção de lingotes, wafers, células solares fotovoltaicas e montagem de módulos solares.

O investimento inclui AUD 835,6 milhões em 10 anos de 2024-25 e AUD 66,8 milhões por ano de 2034-35 a 2036-37, a fim de estabelecer o programa por meio de incentivos à produção e outras formas de apoio. O programa também pode apoiar aspectos complementares da cadeia de suprimentos fotovoltaicos, como vidro solar, estruturas de módulos, tecnologia de implantação e outros elementos de inovação ou fabricação necessários para a implantação solar.

O CEO da Tindo Solar, Richard Petterson, disse que os créditos de produção entregues pela iniciativa de financiamento fornecerão um mecanismo de curto prazo para ajudar a reduzir a diferença de preços entre painéis feitos localmente e importações, enquanto a indústria cresce, quando os produtos fabricados localmente serão cada vez mais competitivos e uma cadeia de suprimentos doméstica surgirá.

“Os países estão mudando seus sistemas de energia para fontes renováveis e devem manter um nível de controle soberano desses novos sistemas, apoiando a fabricação local”, disse ele. “Isso significa que a indústria australiana de energias renováveis está competindo com Pequim, Washington e Bruxelas. O programa Sunshot tenta neutralizar essa discrepância e ter alguma capacidade soberana em nosso sistema de energia emergente”.

Petterson afirmou que o programa também garantirá que a Austrália compartilhe mais dos benefícios da transição energética, com o mercado de módulos com tendência de crescer exponencialmente. O Operador do Mercado de Energia Australiano estimou que 70 GW de energia solar em escala de serviço público e 69 GW de energia solar distribuída serão necessários até 2050 para atender apenas à demanda doméstica de eletricidade.

“Isso representa uma oportunidade clara para uma indústria nacional se for apoiada para escalar rapidamente”, disse ele.

Espera-se que a Tindo Solar se candidate a financiamento sob o guarda-chuva Solar Sunshot para um projeto que deve entregar uma instalação de fabricação capaz de produzir 1 GW de painéis por ano. A empresa está planejando uma expansão de suas instalações atuais em Adelaide e também construir uma “gigafábrica” em um local ainda a ser divulgado na costa leste da Austrália.

A empresa prevê que a gigafábrica de AUD 90 milhões a AUD 100 milhões criará 250 empregos e será capaz de produzir 7 mil painéis por dia e contribuirá para atender à demanda de módulos para responder às metas de energia renovável da Austrália para 2030.

A Tindo Solar afirmou que já está em negociações com fabricantes locais de vidro, alumínio, células solares e outros componentes para alimentar as demandas da instalação.

“Para construir uma indústria de fabricação de energias renováveis, precisamos de escala, e vemos a Sunshot como uma maneira prática de curto prazo para atingir a meta”, disse Petterson.

Este conteúdo é protegido por direitos autorais e não pode ser reutilizado. Se você deseja cooperar conosco e gostaria de reutilizar parte de nosso conteúdo, por favor entre em contato com: editors@pv-magazine.com.