Intersolar Summit Brasil Nordeste: região concentra um quarto da geração solar no Brasil

Share

A região Nordeste concentra mais de um quarto da capacidade de geração solar no Brasil, com 12,7 GW de um total de 41 GW. A região é especialmente forte na geração centralizada de energia solar, com 7,3 GW dos 12,3 GW de projetos de grande porte. Por outro lado, têm apenas 5,5 GW dos 28,3 GW de geração distribuída. Com os projetos, foram atraídos R$ 61,7 bilhões de investimentos, com 383 mil empregos gerados e R$ 18,5 bilhões de arrecadação de tributos.

“Há muito espaço para crescer. Programas estaduais são chave e a Absolar tem atuado com as equipes de desenvolvimento econômico e energético estaduais para ajudar a formar demanda, aumentar o conhecimento da população sobre as tecnologias e acelerar o mercado”, comentou o presidente executivo da Absolar, Rodrigo Sauaia, durante o primeiro dia da Intersolar Summit Brasil Nordeste.

Além de aumentar o conhecimento sobre o setor, é necessária a criação de linhas de financiamento, seja através de bancos estaduais, regionais, agências de financiamento dos estados ou cooperativas de crédito, para incentivar o desenvolvimento da geração distribuída na região. 

Nos municípios, há oportunidades para a criação de programas municipais, com descontos no IPTU, por exemplo, e redução de ISS para as empresas que atuam no setor.

O Nordeste tem apenas um estado, a Bahia, entre os top 10 de geração distribuída e sete estados no top 10 de geração centralizada, de acordo com a Absolar.

Fonte: Absolar

“Há dez anos a fonte solar sequer era mencionada no planejamento. E hoje é a segunda maior fonte na matriz em potência instalada, com 17,5% de participação. A fonte contribui para conservar recursos hídricos e diminui o despacho de térmicas, o que é benéfico inclusive para consumidores que não têm energia solar própria. Quando escutarem que a renováveis tem muitos subsídios, mostrem os recursos que ela gera e benefícios. Foi a fonte que menos recebeu incentivos do governo. Se for para retirar incentivos vamos começar tirando das fontes que mais poluem. Vamos pressionar para parar de incentivar as tecnologias que a gente não quer ver na nossa matriz”, disse Sauaia. 

Até 2050, a participação da solar na matriz deve ser ampliada para 30% da matriz elétrica brasileira, de acordo com o cenário ETS do estudo New Energy Outlook, da BNEF. Nesse período a fonte se tornaria a principal na matriz. As baterias ganhariam espaço, com 6% de participação, e as hidrelétricas e eólicas teriam 23% cada.

Fonte: Absolar

Em sua quarta edição em Fortaleza, nos dias 10 e 11 de abril, no Centro de Eventos do Ceará, a Intersolar Summit Nordeste inclui em sua programação uma feira, congresso técnico e minicursos, que debaterão as principais tendências do setor. Atraindo 100 empresas expositoras em um espaço de 5.000 m², a expectativa do evento é receber mais de 5.000 visitantes. A organização é da Aranda Eventos & Congressos, em colaboração com a Solar Promotion International GmbH da Alemanha.

No Congresso, serão explorados temas como a evolução da geração distribuída na região Nordeste; os avanços e desafios da geração centralizada; as perspectivas do sistema elétrico com elevada participação de energias renováveis; tecnologia, políticas públicas e cadeia de valor hidrogênio no Nordeste; avanços no armazenamento de energia; e perspectivas de mercado e oportunidades de negócios na mobilidade elétrica.

Este conteúdo é protegido por direitos autorais e não pode ser reutilizado. Se você deseja cooperar conosco e gostaria de reutilizar parte de nosso conteúdo, por favor entre em contato com: editors@pv-magazine.com.