Consumo de energia elétrica em julho se manteve praticamente estável

Share

O Brasil consumiu, em julho, 63.322 megawatts médios de energia elétrica, um leve aumento, de 0,4%, na comparação com igual mês do ano passado. Segundo dados preliminares do Boletim InfoMercado Quinzenal, da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), o resultado foi puxado por uma carga maior de residências e pequenos comércios, influenciada pelo aumento das temperaturas nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, que levaram a um maior uso de aparelhos de ar-condicionado.

O ambiente regulado, em que os consumidores de menor porte recebem energia contratada pelas distribuidoras, apresentou alta de 0,8% no comparativo anual. Já as indústrias e grandes empresas que negociam o insumo no mercado livre registraram queda de 0,4%, situação que reflete, principalmente, uma produção menor no ramo de fabricação de veículos.

Esse foi o menor consumo mensal desde o início de 2023. Em março, o consumo chegou a 70.714 MW médios.

Segmentos da indústria

Dos 15 ramos de atividade econômica monitorados pela CCEE, houve crescimento do consumo de energia em sete, com destaque para a extração de minerais metálicos (5,9%), alimentícios (3,2%) e bebidas (1,9%). Já as maiores reduções foram registradas nas indústrias de veículos (6,8%), química (6,6%) e têxteis (4,9%).

Para o segmento automotivo, especificamente, a paralisação de fábricas e a concessão de férias coletivas levaram a uma redução de 16% na produção, segundo dados da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). A queda na demanda por energia seria ainda maior, mas foi amenizada pelo segmento de duas rodas. As subclasses relacionadas à fabricação de motocicletas registraram alta de 9,2% no consumo de eletricidade.

Regiões

Na comparação com o mesmo período do ano passado, a região Norte e boa parte do Nordeste, com dias mais quentes em julho, puxaram o consumo para cima, sobretudo no Maranhão (34,8%), no Amazonas (10,7%) e no Ceará (8%). O cenário inverso, de frio e maior volume de chuvas, derrubou as outras regiões. O Mato Grosso do Sul encerrou o mês com retração de 6,5% menor e o Rio de Janeiro teve queda de 3,9%.

 

Este conteúdo é protegido por direitos autorais e não pode ser reutilizado. Se você deseja cooperar conosco e gostaria de reutilizar parte de nosso conteúdo, por favor entre em contato com: editors@pv-magazine.com.

Conteúdo popular

Geração solar centralizada aumentou 47,1% em junho
17 julho 2024 As usinas solares tiveram o crescimento proporcional mais expressivo na geração para este mês, na comparação com junho de 2023, com 2.922 MW médios en...