Exclusões da alfândega dos EUA podem ser “proibição de fato” do polissilício chinês

Share

Da pv magazine Global

Sob a aplicação da Lei de Prevenção de Trabalho Forçado Uigur (UFLPA), a Alfândega e Proteção de Fronteiras dos EUA excluiu os módulos solares Longi feitos com polissilício Tongwei da entrada no mercado dos EUA, de acordo com uma nota recente da Roth Capital Partners.

Módulos feitos com polissilício Astronergy (Chint) também foram rejeitados pela UFLPA, conforme verificações complementares da pv magazine USA. A UFLPA coloca o ônus da prova sobre os importadores para mostrar que a cadeia de suprimentos está livre de práticas de trabalho forçado. A China sempre negou as alegações de trabalho forçado do grupo minoritário uigur.

Antes da exclusão desses produtos, presumia-se que o polissilício proveniente da região de Xinjiang, na China, responsável por pouco menos de 50% da produção global, seria impedido de entrar. No entanto, não ficou claro se outros fornecedores chineses fora da região enfrentariam escrutínio semelhante e proibições de mercado.

A proibição dos painéis Longi fornecidos com polissilício Tongwei pode significar uma “proibição de fato do polissilício chinês”, alertou um contato da indústria dos EUA da pv magazine. A Tongwei foi a maior fornecedora mundial de polissilício em 2022, produzindo mais de 345.000 MT (toneladas métricas) e não tem presença na região de Xinjiang.

Este é um desenvolvimento negativo dramático para o fornecimento de painéis solares nos Estados Unidos, já que a China produz “uma participação de 89% na produção global de polissilício de grau solar em 2022, e a expansão continua inabalável”, de acordo com a Bernreuter Research. Espera-se que a Longi recorra à exclusão da importação, mas o processo pode levar vários meses, secando o fornecimento de módulos nesse meio tempo.

Para cumprir a UFLPA, as empresas devem fornecer um mapeamento abrangente da cadeia de suprimentos, uma lista completa de todos os trabalhadores de uma instalação e comprovar que os trabalhadores não foram submetidos a condições típicas de práticas de trabalho forçado e estão lá voluntariamente.

Enquanto os Estados Unidos começam estabelecer sua cadeia de fornecimento de energia solar, persistem dúvidas de que a indústria possa se mover rápido o suficiente para fabricar um suprimento constante de componentes para atingir suas metas de energia limpa. A Wood Mackenzie espera que o mercado solar dos EUA triplique de tamanho nos próximos cinco anos, elevando a capacidade solar total instalada para 378 GW até 2028.

A Clean Energy Associates (CEA) diz que, embora a montagem de módulos tenha uma forte presença hoje nos Estados Unidos, os planos de produção de lingotes, wafers e células não acompanharam o ritmo e nenhum plano para plantas novas de polissilício se materializou.

A consultoria relata 5,6 GW de lingote/wafer, 48,3 GW de célula e 51,9 GW de capacidade de módulo on-line fora da China hoje. Isso está bem aquém do que é necessário para suprir a transição energética global, especialmente se a União Europeia seguir o exemplo de exclusão de componentes solares chineses.

A CEA prevê que os Estados Unidos atinjam 17 GW de produção de polissilício, 3 GW de lingotes, 3 GW de wafers, 18 GW de fabricação de células e 40 GW de capacidade de fabricação de módulos até 2027, sugerindo que os Estados Unidos continuarão a depender de energia importações para os próximos anos. No entanto, os recentes desenvolvimentos de fiscalização da UFLPA podem representar um sério desafio para encontrar fornecedores.

Este conteúdo é protegido por direitos autorais e não pode ser reutilizado. Se você deseja cooperar conosco e gostaria de reutilizar parte de nosso conteúdo, por favor entre em contato com: editors@pv-magazine.com.