Resumo atualizado da eficiência de todas as células solares

Share

Da pv magazine Global

O grupo de pesquisa internacional liderado pelo professor Martin Green, da Universidade de Nova Gales do Sul (UNSW), na Austrália, publicou a versão 64 das “tabelas de eficiência de células solares” na Progress in Photovoltaics. Os cientistas disseram que adicionaram 19 novos resultados às novas tabelas desde dezembro.

Um forte progresso foi relatado em toda a gama de tecnologias de células solares, incluindo silício, calcogênio, orgânico e perovskita.

Uma grande novidade é a célula solar HBC (UHC) de heterojunção de silício do tipo N com 27,3% de eficiência, revelada pela fabricante chinesa Longi no final de maio. “A célula, estabelecendo um novo recorde absoluto para o silício, tem ambos os contatos de polaridade na superfície traseira, restringindo a perda pela ausência de contatos na superfície iluminada dianteira”, diz o documento. “Um processo de padronização totalmente a laser foi usado para a padronização de superfície traseira mais complexa necessária para esses dispositivos”.

Outro resultado é a eficiência de conversão de energia de 34,2% que a Longi alcançou para uma célula solar em tandem de perovskita e silício em abril, com um valor atualizado de 34,6% obtido em maio, mantido em reserva e relatado na Conferência de Nova Energia de Xangai (SNEC) de junho.

A lista também inclui uma célula TOPCon de grande área e de grande porte com 25,6% eficiência, fabricada pela JA Solar, uma célula de silício de grande área do tipo N fabricada pela Longi com 26,8% de eficiência e a eficiência de 24,9% que a Maxeon, com sede em Cingapura, alcançou para seu módulo solar IBC.

Além disso, as tabelas agora incluem a eficiência de 22,6% que a americana First Solar alcançou em uma célula de 0,45 cm2 de cádmio-telureto (CdTe), bem como várias outras células solares de filme fino baseadas em Kesters (CZTSSe) ou cobre, gálio, índio e disseleneto (CIGS). Isso inclui atingir o marco de 15% de eficiência tanto para células CZTSS e de pequena área feitas pela Academia Chinesa de Ciências, quanto para um módulo de perovskita de 0,8 m2 de tamanho completo feito pela Microquanta, fundada por ex-alunos da UNSW.

Na versão 63 das tabelas, divulgada em dezembro, os pesquisadores adicionaram seis novos resultados. O grupo tem visto grandes melhorias em todas as categorias de células desde 1993, quando as tabelas foram publicadas pela primeira vez.

O grupo de pesquisa inclui cientistas do Centro Comum de Pesquisa da Comissão Europeia, do Instituto Fraunhofer para Sistemas de Energia Solar, da Alemanha, e do Instituto de Pesquisa de Energia Solar (ISFH), do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia Industrial Avançada do Japão, e do Laboratório Nacional de Energia Renovável dos EUA.

Este conteúdo é protegido por direitos autorais e não pode ser reutilizado. Se você deseja cooperar conosco e gostaria de reutilizar parte de nosso conteúdo, por favor entre em contato com: editors@pv-magazine.com.

Conteúdo popular

Chamada da Aneel recebe propostas para 19 plantas piloto de hidrogênio que somam 100 MW
19 julho 2024 O valor previsto de investimento, considerando as 24 propostas, incluindo além das plantas a produção de equipamentos, é de R$ 2,7 bilhões, o que repr...