Energia limpa deve receber US$ 2 trilhões de investimentos em 2024, contra US$ 1 trilhão em combustíveis fósseis

Share

Apesar das pressões sobre o financiamento, o investimento global em energia limpa deverá atingir quase o dobro do montante destinado aos combustíveis fósseis em 2024, ajudado pela melhoria das cadeias de abastecimento e pela redução dos custos das tecnologias limpas, de acordo com um novo relatório da IEA.

O investimento total em energia em todo o mundo deve ultrapassar os US$ 3 trilhões em 2024 pela primeira vez, com cerca de US$ 2 trilhões destinados a tecnologias limpas – incluindo energias renováveis, veículos eléctricos, energia nuclear, redes, armazenamento, combustíveis de baixas emissões, melhorias de eficiência e bombas de calor – de acordo com a última edição do relatório anual de Investimento Mundial em Energia da IEA. O restante, pouco mais de US$ 1 trilhão, vai para o carvão, o gás e o petróleo. Em 2023, o investimento combinado em energias renováveis ​​e redes ultrapassou pela primeira vez o montante gasto em combustíveis fósseis.

O novo relatório alerta, no entanto, que ainda existem grandes desequilíbrios e lacunas nos fluxos de investimento energético em muitas partes do mundo. Destaca o baixo nível de gastos com energia limpa nas economias emergentes e em desenvolvimento fora da China, que deverá ultrapassar pela primeira vez os US$ 300 bilhões – liderados pela Índia e pelo Brasil. No entanto, isto representa apenas cerca de 15% do investimento global em energia limpa, muito abaixo do que é necessário para satisfazer a crescente procura de energia em muitos destes países, onde o elevado custo do capital está atrasando o desenvolvimento de novos projetos.

“O investimento em energia limpa está estabelecendo novos recordes, mesmo em condições econômicas desafiadoras, destacando a dinâmica por detrás da nova economia energética global. Por cada dólar investido hoje em combustíveis fósseis, quase dois dólares são investidos em energia limpa”, comentou o diretor executivo da IEA, Fatih Birol. “O aumento dos gastos com energia limpa é sustentado por uma economia forte, por reduções contínuas de custos e por considerações de segurança energética. Mas existe também um forte elemento de política industrial, à medida que as principais economias competem por vantagens em novas cadeias de abastecimento de energia limpa. É necessário fazer mais para garantir que o investimento chegue aos locais onde é mais necessário, em particular às economias em desenvolvimento, onde o acesso a energia acessível, sustentável e segura é hoje gravemente deficiente.”

Quando o Acordo de Paris foi alcançado em 2015, o investimento combinado em energias renováveis ​​e nuclear para a geração de energia elétrica era o dobro do montante destinado à eletricidade gerada por combustíveis fósseis. Em 2024, este valor deverá aumentar para dez vezes mais, destaca o relatório, com a energia solar fotovoltaica liderando a transformação do setor energético. Mais dinheiro está sendo investido na energia solar fotovoltaica do que em todas as outras tecnologias de geração de eletricidade combinadas. Em 2024, o investimento em energia solar fotovoltaica deverá crescer para US$ 500 bilhões, à medida que a queda dos preços dos módulos estimula novos investimentos.

A China deverá ser responsável pela maior parte do investimento em energia limpa em 2024, atingindo cerca de US$ 675 bilhões. Isto resulta da forte demanda interna de três indústrias em particular – solar, baterias de lítio e veículos elétricos. Seguem-se a Europa e os Estados Unidos, com investimentos em energia limpa de US$ 370 bilhões e US$ 315 bilhões, respectivamente. Estas três grandes economias representam, por si só, mais de dois terços do investimento global em energia limpa, sublinhando as disparidades nos fluxos internacionais de capital para a energia.

Investimentos em óleo e gás acima do projetado em cenários com cumprimento do Acordo de Paris

Prevê-se que o investimento global na exploração e produção de petróleo e gás (upstream) aumente 7% em 2024, atingindo US$ 570 bilhões, após um aumento semelhante em 2023. O crescimento dos gastos em 2023 e 2024 é predominantemente realizado por empresas petrolíferas nacionais no Médio Oriente e na Ásia. O relatório conclui que o investimento petróleo e gás em 2024 está amplamente alinhado com os níveis de procura implícitos em 2030 pelas definições políticas atuais, mas muito acima do projetado em cenários que atingem os objetivos climáticos nacionais ou globais. O investimento em energia limpa por parte das empresas de petróleo e gás atingiu US$ 30 bilhões em 2023, representando apenas 4% das despesas de capital globais da indústria, de acordo com o relatório. Entretanto, o investimento no carvão continua a aumentar, com mais de 50 GW de energia ininterrupta a carvão aprovados em 2023, o valor mais elevado desde 2015.

Aumento dos investimentos na transmissão e armazenamento de energia elétrica

Além dos desafios econômicos, as redes e o armazenamento de eletricidade têm sido uma barreira significativa às transições para energias limpas. Mas os gastos com redes estão aumentando e deverão atingir os US$ 400 bilhões de dólares em 2024, tendo ficado estagnados em cerca de US$ 300 bilhões anuais entre 2015 e 2021. O aumento deve-se em grande parte a novas iniciativas políticas e ao financiamento na Europa, nos Estados Unidos, na China e em alguns países. países da América Latina. Entretanto, os investimentos no armazenamento de baterias estão a arrancar e deverão atingir os US$ 54 bilhões em 2024, à medida que os custos diminuem ainda mais. Mais uma vez, estas despesas são altamente concentradas. Por cada dólar investido em armazenamento de baterias nas economias avançadas e na China, apenas um cêntimo foi investido noutras economias emergentes e em desenvolvimento.

A despesa pública em I&D em energia na região EMDE aumentou em 2023, mas, fora da China, a sua percentagem manteve-se em 6% do total global e concentrou-se num pequeno número de países do G20. Sob a presidência brasileira do G20 em 2024, o Grupo começou a trabalhar para ajudar os EMDEs a desenvolver sistemas eficazes de inovação em energia limpa de longo prazo, para que possam participar mais plenamente nas cadeias de valor emergentes de tecnologias de energia limpa.

A América Latina tem sido líder em energia limpa, mas precisa intensificar os investimentos para permanecer à frente

A América Latina e o Caribe (ALC), que engloba mais de 30 países, representaram 7% do PIB mundial em 2023, enquanto o rendimento per capita está ligeiramente abaixo da média mundial. Os países da ALC têm sido geralmente propensos a inflação elevada, dívida elevada e questões fiscais, embora as classificações de crédito soberano variem entre dívida em incumprimento (Venezuela) e grau médio-alto (Chile). A ALC teve um período de crescimento lento na última década, no qual o PIB da região cresceu cerca de um terço do ritmo global médio. Isto explica parcialmente porque o investimento em energia tem sido relativamente baixo.

Os combustíveis fósseis, por outro lado, representam dois terços do mix energético, bem abaixo da média mundial de 80%. A utilização de carvão é bastante baixa, mas a utilização de petróleo – principalmente para os transportes, mas também para a indústria – é relativamente elevada, apesar da percentagem de biocombustíveis no transporte rodoviário ser o dobro da média mundial.

O uso de energia renovável tem sido fundamental para a região, onde as energias renováveis ​​representam uma parcela de 60% do mix energético (o dobro da média mundial). A ALC tem um legado de forte utilização da energia hidroelétrica para a produção de eletricidade, com muitas grandes barragens construídas há muito tempo. Embora as suas perspectivas de crescimento sejam limitadas, a energia hídrica continua a ser importante para a flexibilidade nos países da região.

O investimento em energia na região deverá atingir US$ 185 bilhões em 2024, um valor recorde. O setor elétrico representa mais de 35%, enquanto o fornecimento de combustíveis fósseis representa quase 55% e a utilização final menos de 10%.

As energias renováveis ​​e o armazenamento continuam o seu forte crescimento, com solar liderando a implantação (incluindo projetos de pequena escala), investimentos crescentes em armazenamento no Chile (para reduzir gargalos de transmissão) e até mesmo aumento da energia eólica offshore no Brasil e na Colômbia. Muitos países também estão desenvolvendo estratégias de longo prazo para o hidrogênio e implementando projetos-piloto, especialmente no Brasil (onde uma central de 1,2 GW obteve licenças ambientais no final de 2023) e no Chile. O investimento nos setores de consumo final é baixo: menos de um terço dos países da ALC têm padrões mínimos de desempenho energético para motores industriais ou eletrodomésticos, por exemplo, e poucos implementaram códigos de construção obrigatórios.

Quase metade dos 33 países da ALC comprometeram-se a atingir zero emissões líquidas até 2050, incluindo Brasil, Chile, Costa Rica e Colômbia.

O investimento médio anual em energia limpa durante o período 2026-2030 precisa aumentar quatro vezes em comparação com a década anterior, a fim de atingir estes objetivos, o que resultaria no pico do consumo de combustíveis fósseis nesta década. Os esforços para reduzir o custo do capital serão críticos e exigirão a melhoria da proposta económica para investimentos limpos, reduzindo ao mesmo tempo os riscos macroeconómicos.

Este conteúdo é protegido por direitos autorais e não pode ser reutilizado. Se você deseja cooperar conosco e gostaria de reutilizar parte de nosso conteúdo, por favor entre em contato com: editors@pv-magazine.com.