China exporta 114 GW de módulos no primeiro semestre

Share

As exportações de módulos solares da China para o resto do mundo aumentaram 34% em relação ao ano anterior, passando de 85 GW no primeiro semestre de 2022 para 114 GW no mesmo período deste ano, quase o mesmo volume exportado durante todo o ano de 2021. Esta quantidade de painéis solares geraria eletricidade suficiente para abastecer a Suécia e é equivalente à capacidade total instalada de geração solar nos Estados Unidos (113 GW). A China produz atualmente cerca de oito em cada dez painéis solares. Os dados são do think tank de energia e clima Ember.

Os módulos solares, que são painéis solares totalmente montados, representaram 90% (US$ 23,8 bilhões) do total das exportações solares da China em valor no primeiro semestre de 2023. Já as células solares, que são peças desmontadas que compõem os painéis solares, representaram os restantes 10% das exportações solares da China em valor (2,5 mil milhões de dólares). Os principais destinos de exportação de células solares foram Turquia (33%), Índia (17%), Camboja (15%), Tailândia (10%) e Coreia do Sul (4%).

O restante do relatório analisa apenas as exportações de módulos montados.

América Latina
As exportações para o Brasil – o segundo maior mercado depois da Europa – mantiveram-se estáveis, com 9,5 GW importados no primeiro semestre de 2023, em comparação com 9,4 GW no mesmo período do ano passado. Nos últimos 12 meses, o Brasil importou 18,6 GW de painéis, o que geraria eletricidade equivalente a 4% da demanda anual do país.

Na região, o Chile e a Colômbia registram o crescimento mais rápido. As exportações para o Chile aumentaram 70%, de 1,3 GW nos primeiros seis meses de 2022 para 2,2 GW no mesmo período deste ano. Nos últimos 12 meses, as exportações para o Chile totalizaram 3,4 GW, o que geraria eletricidade equivalente a 6% da demanda elétrica do país.

As exportações para a Colômbia também registaram um rápido crescimento, de 0,5 GW no primeiro semestre de 2022, para 1,2 GW no mesmo período deste ano, um aumento de 135%. Nos últimos 12 meses, as exportações para a Colômbia totalizaram 2 GW, o que geraria eletricidade equivalente a cerca de 3,5% da procura de eletricidade do país.

Europa importa 66 GW de módulos 

Um dos maiores crescimentos das exportações chinesas foi observado na Europa, da ordem de 47%, passando de 44 GW no primeiro semestre de 2022 para 66 GW no mesmo período deste ano. Uma vez instalada, esta nova capacidade poderá fornecer cerca de 2% da demanda anual de eletricidade da região.

No entanto, os estoques aumentaram, com cerca de 40 GW de painéis solares atualmente em armazéns na Europa, sublinhando os estrangulamentos na instalação e ligação de painéis solares.

África do Sul impulsiona continente africano

Fora da Europa, a África do Sul foi o país com o maior aumento absoluto de painéis solares importados da China. As exportações de módulos para a África do Sul registraram um rápido crescimento em 2023, com 3,4 GW exportados para o país nos primeiros seis meses de 2023, um aumento de 438% em comparação com o mesmo período do ano passado (0,6 GW).

A frequente redução de carga levou os cidadãos da África do Sul a recorrer à energia solar nos telhados, acelerada pela introdução de incentivos fiscais de curto prazo. Nos últimos 12 meses, a África do Sul importou 4 GW de painéis solares da China, o que geraria eletricidade equivalente a cerca de 3% da sua procura anual.

Principalmente devido ao crescimento da África do Sul, as importações de energia solar de África provenientes da China aumentaram 187% (3,7 GW) em termos anuais. Como resultado, foi a região com o crescimento percentual mais rápido em 2023 até agora e o segundo maior crescimento absoluto depois da Europa.

Oriente Médio liderado pela Arábia Saudita

Depois da África, o Médio Oriente foi a região com o segundo crescimento relativo mais rápido, com as exportações de painéis solares da China aumentando 64% (2,4 GW) no primeiro semestre de 2023 em comparação com o mesmo período do ano passado.

As exportações de painéis solares da China para a Arábia Saudita cresceram mais de seis vezes, partindo de uma base baixa em 2022 (0,4 GW) para atingir 2,8 GW no primeiro semestre de 2023, impulsionadas por projetos de grande escala. O rápido crescimento da capacidade deve ser mantido para que a energia solar fotovoltaica possa fazer o trabalho pesado para atingir a meta de 50% de energias renováveis do país até 2030.

Também é notável o crescimento dos painéis solares exportados da China para os Emirados Árabes Unidos. As exportações aumentaram 33% para 1,4 GW no primeiro semestre de 2023, em comparação com 1,1 GW no mesmo período do ano passado. Isto está amplamente alinhado com o fato de a energia solar fotovoltaica cumprir a maior parte da meta do país de 30% de energia limpa até 2030, mas ainda há espaço para aumentar a ambição, dadas as taxas de crescimento alcançadas em outros países.

Com fabricação local, Índia diminui importações de módulos

A única região que viu menos importações da China durante o primeiro semestre de 2023 em comparação com o ano anterior foi a Ásia, à medida que a Índia passou a concentrar-se no crescimento da capacidade de produção interna. No entanto, o Paquistão é uma exceção notável, com um rápido crescimento das importações em 2023 até agora. Muitos outros importadores permaneceram estáveis, como a Austrália e o Japão.

O Paquistão registou um rápido aumento em 2023, com 3,8 GW exportados para o país nos primeiros seis meses de 2023, um aumento de 86% em comparação com o mesmo período do ano passado. Os preços da energia permanecem muito elevados, com reduções frequentes de carga, e os impostos sobre vendas de módulos solares foram removidos em 2022 para incentivar a adesão.

A Índia foi o único país a registar uma grande queda nas importações provenientes da China. As exportações de módulos para a Índia diminuíram 76% em relação ao ano anterior, passando de 9,8 GW no primeiro semestre de 2022 para 2,3 GW no mesmo período deste ano.

Isto é resultado da imposição de tarifas à medida que a Índia se afastava das importações para se concentrar na construção e utilização da capacidade de produção nacional. Houve, por outro lado, um aumento no número de células chinesas, que são depois montadas localmente em painéis solares, sendo a Índia agora o segundo maior destino para células solares exportadas, depois da Turquia.

Este conteúdo é protegido por direitos autorais e não pode ser reutilizado. Se você deseja cooperar conosco e gostaria de reutilizar parte de nosso conteúdo, por favor entre em contato com: editors@pv-magazine.com.