“Passaportes solares” para gestão de resíduos fotovoltaicos na Índia

Share

Da pv magazine Global

Pesquisadores da Universidade da Cidade de Hong Kong propuseram passaportes solares baseados em blockchain como uma solução eficaz para monetizar ativos de usinas solares fotovoltaicas na Índia. De acordo com eles, tais passaportes de materiais podem preencher a lacuna de dados durante todo o ciclo de vida dos módulos fotovoltaicos.

A estrutura permitiria a verificação da origem, qualidade e quantidade de materiais usados ​​em painéis fotovoltaicos, aumentando a confiança dos investidores em reciclagem e facilitando o mercado secundário de ativos fotovoltaicos.

Os pesquisadores, Nallapaneni Manoj Kumar e Shauhrat S. Chopra, destacam a necessidade urgente de integração dessa estrutura em políticas e regulamentações novas ou existentes na Índia. Os cientistas projetam o potencial de resíduos fotovoltaicos do país em 1,95 megatoneladas resultantes das instalações solares fotovoltaicas conectadas à rede energética indiana antes de 31 de janeiro de 2019.

Técnicas de reciclagem

O trabalho considerou a recuperação de material sob três técnicas de reciclagem, o procedimento industrial padrão como cenário de linha de base, o procedimento de desmanufatura termoquímica e o procedimento de delaminação.

No cenário de linha de base, o resíduo fotovoltaico é diretamente submetido à trituração sem remover a caixa de junção traseira do painel fotovoltaico. Os painéis fotovoltaicos triturados são então processados ​​usando métodos de triagem metalúrgica e de indução para recuperar materiais.

Já no cenário térmico e químico, os painéis fotovoltaicos em fim de vida (EoL) são tratados de forma diferente, onde as caixas de junção na parte traseira do módulo fotovoltaico e os cabos são separados primeiro. Posteriormente, os resíduos fotovoltaicos remanescentes são submetidos a tratamento térmico seguido de tratamento químico para recuperação de materiais.

No cenário de delaminação, as caixas de junção e os cabos são removidos manualmente dos painéis fotovoltaicos EoL. O componente de vidro é então isolado das células solares durante a etapa de corte do processo de reciclagem, e abordagens térmicas são aplicadas para recuperar materiais úteis dos resíduos descartáveis.

A análise indica que o vidro frontal do módulo fotovoltaico, que constitui aproximadamente 59,51% de seu peso, é o componente mais prevalente para recuperação de material. Especificamente, para cada 1 tonelada de resíduos fotovoltaicos, 595 kg de vidro podem ser recuperados, sendo que esse potencial pode alcançar cerca de 89,6% a 98% de reaproveitamento do vidro em diferentes cenários de reciclagem

Este conteúdo é protegido por direitos autorais e não pode ser reutilizado. Se você deseja cooperar conosco e gostaria de reutilizar parte de nosso conteúdo, por favor entre em contato com: editors@pv-magazine.com.