Geração solar e eólica passarão a energia nuclear e hídrica em breve

Share

Da pv magazine Global

Nossa coluna da ISES para a pv magazine em abril mostrou que a mudança de energia mais rápida da história continua. Em 2023, a solar e a eólica juntas constituíram 80% das adições de capacidade de energia líquida global. O crescimento da capacidade de energia é acompanhado pelo crescimento da geração anual de energia.

Na última década, a geração solar global cresceu nove vezes, atingindo 1.500 TWh por ano, enquanto a geração eólica triplicou para 2.300 TWh por ano (Figura 1). Isso corresponde a taxas compostas de crescimento de 22% e 11% ao ano, respectivamente. Em contrapartida, a geração hídrica, nuclear e a carvão tiveram taxas de crescimento de cerca de 1% ao ano, e a de gás, de 3%.

A taxa de crescimento solar de 22% ao ano equivale a dobrar a cada três anos. A essa taxa de crescimento, a geração solar atingirá 100.000 TWh por ano em 2042, o que é suficiente para descarbonizar totalmente a economia global.

Figura 1: Geração anual global de eletricidade com baixas emissões (Ember, WNA)

Imagem: Ember, WNA

A nuclear tem um fator de capacidade médio global de 74%, seguido pelo carvão (50% a 70%), gás de ciclo combinado (40% a 60%), eólica (30% a 60%), grandes hidrelétricas (30% a 50%) e solar fotovoltaica (12% a 25%).

Apesar de seu fator de capacidade relativamente baixo, a geração solar caminha para superar a geração nuclear em 2026, a eólica em 2027, a hídrica em 2028, a a gás em 2030 e o carvão em 2032.

As energias solar e eólica estão dominando fortemente a construção de usinas, enquanto a construção de todas as outras tecnologias de geração está estagnada. O carvão, o gás e a nuclear podem desaparecer em meados do século, uma vez que as aposentadorias de plantas existentes superem as novas construções.

Os países líderes em geração solar e eólica per capita estão todos na Europa, exceto a Austrália (Figura 2). Também é mostrada na Figura 2 a geração per capita global a partir de hidrelétricas e nucleares. A geração combinada a partir de energia solar e eólica nos países líderes é agora quatro vezes maior do que a geração média global de energia hídrica e nuclear combinadas.

Figura 2: Geração de eletricidade solar e eólica por pessoa (Ember, WNA)

Imagem: Ember, WNA

A Austrália é um desbravador global porque, ao contrário da Europa, não pode compartilhar eletricidade através das fronteiras nacionais para reduzir os efeitos do clima e da demanda variáveis. A Austrália tem de ir sozinha. O país vem demonstrando de forma convincente que a mudança pode acontecer rapidamente com boas políticas. No período de 2020 a 2030, a geração fóssil vem caindo de 75% para 18%, enquanto a geração solar e eólica está subindo de 19% para 75%.

Brasil e Chile são países desbravadores de renda média, com cerca de 81% e 60%, respectivamente, da geração de eletricidade proveniente de hidrelétricas, eólicas e solares. Os países desbravadores são movidos pelo desejo de reduzir os preços da eletricidade e as emissões. Há poucas preocupações sérias sobre a estabilidade futura da rede, porque haverá investimento suficiente em armazenamento, transmissão e gerenciamento de demanda.

Autores: Prof. Ricardo Rüther (UFSC), Prof. Andrew Blakers /ANU

Andrew.blakers@anu.edu.au

rruther@gmail.com

ISES, a Sociedade Internacional de Energia Solar é uma ONG credenciada pela ONU e fundada em 1954 que trabalha para um mundo com energia 100% renovável para todos, usada de forma eficiente e sábia.

Os pontos de vista e opiniões expressos neste artigo são dos próprios autores, e não refletem necessariamente os defendidos pela pv magazine.

Este conteúdo é protegido por direitos autorais e não pode ser reutilizado. Se você deseja cooperar conosco e gostaria de reutilizar parte de nosso conteúdo, por favor entre em contato com: editors@pv-magazine.com.