Célula solar de perovksita preta atinge 20,25% de eficiência

Célula solar de perovksita preta

Share

Da pv magzine Global

A Academia Chinesa de Ciências (CAS) anunciou que um grupo de seus pesquisadores fabricou uma célula solar baseada em perovskita de iodeto de césio-chumbo (CsPbI3), também conhecida como perovskita preta.

O CsPbI3 está sendo testado em dispositivos fotovoltaicos pois promete oferecer estabilidade superior de umidade e iluminação. Este material de perovskita tem um bandgap de energia de aproximadamente 1,7 eV e, de acordo com vários cientistas, é uma solução ideal para subcélulas de junção única e de gap de banda larga em dispositivos fotovoltaicos em tandem.

“Desenvolvemos uma nova abordagem para células solares CsPbI3 que abre novas oportunidades para a construção de módulos solares de perovskita totalmente inorgânicos”, disse o principal autor da pesquisa, Jin-Song Hu, à pv magazine.

Os cientistas utilizaram uma estratégia facilitada por ligação de hidrogênio para extrair dimetilamônio (DMA) do absorvedor de perovskita preta. O DMA pode resultar em heterogeneidade local, formação de defeitos e morfologia áspera – todos os fatores que podem ser prejudiciais à eficiência e estabilidade celular.

A estratégia consiste na ligação do DMA com o ácido poliacrílico (PAA) durante a formação do filme de CsPbI3, processo que favoreceria a extração do DMA por meio das ligações de hidrogênio recém-formadas.

“A amostra adicionada pelo PAA exibiu uma transformação de fase relativamente mais rápida e alcançou o filme CsPbI3 de alta qualidade sem resíduos de DMA”, disseram os cientistas. “Investigações experimentais e teóricas sistemáticas revelaram que a ligação de hidrogênio facilitou a extração de DMA, reduzindo sua barreira de escape de energia”.

O grupo construiu a célula com um substrato feito de óxido de estanho dopado com flúor (FTO), uma camada de transferência de elétrons (ETL) de dióxido de titânio (TiO2), o absorvedor de CsPbI3, uma camada de transporte de furos (HTL) baseada em um polímero regioregular poli (3-hexiltiofeno) (P3HT) e um contato metálico de ouro (AU).

Testado sob condições de iluminação padrão, este dispositivo alcançou uma eficiência de conversão de energia de 20,25%, que os cientistas disseram ser a maior eficiência relatada em PSCs CsPbI3 com um P3HT HTL livre de dopante.

“O dispositivo demonstrou umidade superior e estabilidade operacional em termos de manutenção de 94% de sua eficiência inicial após o envelhecimento em condições de baixa umidade relativa do ar (UR) por 10.224 h e mais de 93% de eficiência após iluminação contínua por 570 h”, explicaram.

Eles descreveram a nova tecnologia celular e o processo de fabricação relacionado no estudo “Hydrogen-bonding-facilitated dimethylammonium extraction for stable and efficient CsPbI3 solar cells with environmentally benign processing“, publicado na Joule.

Este conteúdo é protegido por direitos autorais e não pode ser reutilizado. Se você deseja cooperar conosco e gostaria de reutilizar parte de nosso conteúdo, por favor entre em contato com: editors@pv-magazine.com.

Conteúdo popular

Geração solar centralizada aumentou 47,1% em junho
17 julho 2024 As usinas solares tiveram o crescimento proporcional mais expressivo na geração para este mês, na comparação com junho de 2023, com 2.922 MW médios en...