Fonte solar cresce, mas fabricantes europeus estão preocupados com a sobrevivência sem medidas de proteção

EUPVSEC 2023

Share

pv magazine Global

Na 40.ª edição da conferência PVSEC da UE, realizada em Lisboa na semana passada, o clima foi de otimismo para a comunidade fotovoltaica. E por que não deveria ser? Como Nancy Haegel, do NREL, apontou em sua apresentação de encerramento, 2022 marcou a primeira vez na história que, em escala global, a energia solar respondeu por mais de 50% da expansão líquida da capacidade de eletricidade. Em termos de geração global de eletricidade, a solar ainda contribuiu com apenas 4% no ano passado, enquanto os combustíveis fósseis representaram mais de 66%. Até 2035, a energia eólica e solar juntas poderão representar cerca de 50% da geração global de eletricidade, se todos os países finalmente perceberem os enormes ganhos sociais, ambientais e econômicos que uma rápida transição para as energias renováveis implicaria.

O que nos leva ao tema mais quente discutido na exposição e durante os coffee breaks entre as apresentações: quais países fora da China se beneficiarão do crescimento maciço da demanda por hardware fotovoltaico?

Suporte à manufatura

Tanto a Índia quanto os EUA já implementaram ambiciosos esquemas de apoio para garantir que haverá um renascimento da fabricação de energia solar em seus respectivos países. Os primeiros sucessos dessas políticas já podem ser observados este ano, com campeões locais como Tata, Reliance e First Solar aumentando significativamente suas capacidades de produção doméstica.

A Europa também estipulou o ambicioso objetivo de restabelecer toda a cadeia de valor da energia fotovoltaica no continente, com o objetivo de que cerca de 40% da demanda europeia de energia fotovoltaica possa ser suprida por fabricantes nacionais no futuro.

No entanto, até agora, as medidas de apoio correspondentes não foram postas em prática para transformar essas ambições em realidade. É por isso que a Europa até agora teve que se contentar com as vitórias mais simbólicas a esse respeito: o Prêmio Becquerel deste ano foi concedido a Gunter Erfurt, CEO da Meyer Burger, por seu engajamento no restabelecimento da fabricação avançada de células e módulos solares de silício na Europa. Erfurt recebeu o prêmio na cerimônia de abertura do PVSEC da UE.

A Meyer Burger fabrica células solares de heterojunção e módulos construídos em seus próprios equipamentos em fábricas na Alemanha. Impulsionada pela atração de um generoso mecanismo de apoio disponível nos EUA, a Lei de Redução da Inflação (IRA), a Meyer Burger interrompeu todos os seus planos de expansão de capacidade na Europa e agora se concentra totalmente no estabelecimento de uma fábrica de células e módulos de 2 GW nos EUA.

No período que antecedeu o PVSEC da UE em Lisboa, os preços dos módulos fotovoltaicos cristalinos registaram uma queda acentuada nos principais mercados, alimentando o receio de que a indústria fotovoltaica europeia, que estava apenas a começar a restabelecer-se, pudesse ser esmagada como vítima colateral da luta interna entre os principais fabricantes fotovoltaicos chineses. Estes últimos expandiram agressivamente suas capacidades de produção nos últimos 18 meses, o que resultou em uma situação de excesso de oferta cada vez mais pronunciada. A extensão do excesso de oferta de módulos ficou realmente evidente em maio deste ano.

Preços dos módulos

Em média, os preços dos módulos diminuíram mais de € 0,06/Wp em apenas três meses, com o efeito de que vários fabricantes europeus tiveram de reduzir a sua produção, uma vez que se tornou cada vez mais difícil corrigir a crescente diferença de preços entre os módulos fabricados na China e os montados na Europa.

Tanto a Solar Power Europe, quanto o Conselho de Fabricação Solar Europeu (ESMC) recorreram à Comissão Europeia pedindo medidas imediatas de alívio para evitar uma nova onda de falências para os seus membros, caso os preços continuem em níveis entre €0,15/Wp e € 0,17/Wp – como tem sido observado no mercado ultimamente.

A maior ameaça que a atual deterioração dos preços provoca é a consequência de que será praticamente impossível atrair qualquer financiamento de capital próprio para os numerosos planos europeus de restabelecer a cadeia de valor fotovoltaica. Se persistir a impressão de que a indústria fotovoltaica, na figura dos principais fabricantes chineses, está novamente disposta a sacrificar as margens e expandir as suas capacidades a um ritmo maior do que o atendido pela crescente demanda.

Isso equivaleria a um golpe fatal para todos os sonhos europeus de restabelecer a indústria fotovoltaica internamente. Todos os dias da semana em Lisboa havia painéis de discussão sobre como este pior cenário ainda poderia ser evitado. Uma fração da indústria expressou a convicção de que, sem medidas de proteção que reservassem direta ou indiretamente um certo volume de mercado para os fabricantes europeus, eles não teriam chance de sobreviver. Em contraste, uma segunda fração sugeriu que convencer os principais fabricantes chineses a estabelecer instalações de produção fotovoltaica de joint venture na Europa poderia evitar disputas comerciais com a China e garantir que os benefícios da incrível história de crescimento e sucesso da energia fotovoltaica sejam distribuídos de forma mais uniforme pelo mundo.

Quando se trata de seu próprio ecossistema, o evento PVSEC da UE foi capaz de demonstrar que é possível haver uma divisão uniforme entre diferentes grupos das partes interessadas, mesmo que elas não tenham condições de partida iguais. Como exemplo, tanto os prêmios principais, quanto os prêmios para apresentações orais de estudantes – os chamados prêmios estudantis – foram divididos igualmente entre os gêneros, apesar de autoras mulheres representarem menos de um quarto das submissões de resumos.

A força da participação no PVSEC UE 2023 também foi encorajadora. Mais de 1850 cientistas e investigadores de mais de 60 países reuniram-se em Lisboa. Foram mais de 1050 apresentações orais e visuais, discutindo as últimas descobertas em tecnologia celular, confiabilidade de módulos e políticas renováveis em todo o mundo.

Em 2024, o PVSEC da UE será realizado em Viena, Áustria, de 23 a 27 de setembro.

Götz Fischbeck é consultor e colaborador da equipe editorial global da pv magazine.

Os pontos de vista e opiniões expressos neste artigo são dos próprios autores, e não refletem necessariamente os defendidos pela pv magazine.

Este conteúdo é protegido por direitos autorais e não pode ser reutilizado. Se você deseja cooperar conosco e gostaria de reutilizar parte de nosso conteúdo, por favor entre em contato com: editors@pv-magazine.com.

Conteúdo popular

Geração solar centralizada aumentou 47,1% em junho
17 julho 2024 As usinas solares tiveram o crescimento proporcional mais expressivo na geração para este mês, na comparação com junho de 2023, com 2.922 MW médios en...