A China pode levar o mundo a zero emissões líquidas

Share

Da pv magazine Global

A China encontra-se atualmente num espaço de transição em termos do seu perfil energético. É de longe o maior consumidor mundial de carvão, com mais de 50% do consumo global, mas é também de longe o principal instalador de capacidade de geração de energia renovável. Este paradoxo coloca atualmente a China atrás dos seus homólogos ocidentais ricos em termos da quota de energia renovável no seu consumo de energia primária – aquela que está diretamente disponível, como o carvão, o petróleo bruto, a energia solar e a eólica. Isto irá mudar porque as energias renováveis ​​estão preparadas para substituir massivamente o carvão nas próximas três décadas. Isto ajudará a elevar a China ao topo das regiões em termos da quota de combustíveis não fósseis na sua matriz energética.

O governo central chinês define a direção e os objetivos da política energética e tem o poder de garantir que a linha do partido é mantida, mas depende fortemente dos níveis mais baixos do governo e das autoridades locais para a sua implementação. A estabilidade do governo elimina, sem dúvida, alguma incerteza, numa perspectiva de previsão. Permanece, no entanto, alguma incerteza sobre a eficácia da futura estratégia de investimento do Estado, uma vez que esta passa dos gastos imobiliários e de infraestruturas para o apoio à indústria transformadora de maior valor agregado e ao crescimento liderado pelo consumo em bens de consumo e serviços.

Independência energética

A segurança energética é uma motivação fundamental para a transição energética chinesa, mas, na opinião da DNV, só será parcialmente alcançada. Equilibrando a segurança energética nacional com os imperativos sociais e econômicos, a China procura a autonomia energética através da conservação de energia, da mudança de fontes e do reforço da capacidade energética interna. O setor energético lidera ao substituir o carvão por energias renováveis ​​de origem nacional. Contudo, a dependência das importações de petróleo e gás persistirá até 2050 e além. Acelerar a transição para emissões líquidas zero até 2050, com uma maior ênfase nas energias renováveis ​​produzidas internamente, aumentaria ainda mais a independência energética.

O consumo de energia na China deverá atingir o pico em 2030 e deverá ser seguido por uma redução notável de 20% até 2050, como resultado de iniciativas de eletrificação e eficiência. Este declínio também estará diretamente relacionado com mudanças demográficas, incluindo uma diminuição projetada da população de 100 milhões de pessoas até meados do século.

Das 10 regiões mundiais na previsão da DNV, a China ocupa atualmente o sexto lugar em termos de eletrificação da demanda, mas prevê-se que suba para o segundo lugar, com a eletricidade compreendendo 47% da procura final de energia até 2050, ultrapassando a Europa e a América do Norte e atrás apenas da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico na área do Pacífico.

A melhoria da eficiência energética é uma parte importante da política energética chinesa e o declínio pretendido na intensidade energética – o rácio entre o fornecimento de energia e o PIB – é evidente: uma redução de 33%, para três megajoules (MJ) por dólar, está prevista para 2035, ainda mais reduzindo para 2,2 MJ/$ até 2050.

Quadros jurídicos como a Lei de Conservação de Energia e a Lei de Energias Renováveis ​​fortalecem estes esforços. As análises setoriais revelam um notável aumento de eficiência nos edifícios, onde a eficiência mais do que duplicará até 2050. O sector industrial apresenta ganhos graduais e o sector dos transportes prevê um aumento modesto, para 75% de eficiência até 2050.

Solar e eólica

A China, já líder em fontes de energia renováveis, está a caminho de aumentar mais de cinco vezes o número de instalações de energias renováveis ​​até 2050 (ver gráfico acima). A percentagem de energias renováveis ​​na produção total de eletricidade na China aumentará dos 30% atuais para 55% até 2035, e 88% até 2050.

Em meados do século, a energia solar e a eólica gerarão, cada uma, cerca de 38% da eletricidade. Para a energia solar, mais de um terço da capacidade instalada será combinada com armazenamento, principalmente baterias. Para a energia eólica, 77% da energia será fornecida por instalações onshore, 20% será fornecida por locais fixos offshore e 3% por estruturas flutuantes offshore.

As reduções sustentadas de custos, devido aos efeitos de aprendizagem, serão o principal impulsionador do aumento previsto da energia solar e eólica. De outras fontes de combustíveis não fósseis, as instalações nucleares duplicarão em termos absolutos, mas permanecerão pequenas em termos relativos, produzindo apenas 5% da energia em 2050. Aproveitando as reduções de custos e as exportações globais sustentadas, a China está preparada para ajudar o resto do mundo no cumprimento dos seus objetivos em matéria de energias renováveis, exportando painéis solares e, muito provavelmente, também turbinas eólicas para a maior parte do mundo.

Redução de emissões

Em 2022, a China emitiu cerca de 12 gigatoneladas (Gt) de CO2, 33% da energia global e das emissões de CO2 relacionadas com processos. A DNV conclui que as reduções estão bem alinhadas com os objetivos duplos de carbono da China de atingir o pico de suas emissões antes de 2030 e se tornar neutra em carbono antes de 2060. A DNV projeta que as emissões da China atingirão o pico em 2026, seguido por uma redução de 30% até 2040. A parcela de emissões cairá para 22% do total global em 2050. No entanto, a nossa perspectiva sugere um redução da intensidade de carbono do sistema energético global (por unidade do PIB) de apenas 59%, enquanto a China pretende reduzir a intensidade de carbono para 65% dos níveis de 2005 até 2030.

Dado o peso da contribuição da China para as emissões globais, o momento e a profundidade das reduções de emissões da China são de imensa importância global. Se a China seguisse uma trajetória de zero emissões líquidas até 2050 (descrita em uma publicação separada da DNV – “O caminho para emissões líquidas zero”), nossos cálculos mostram que isso poderia resultar em emissões cumulativas de 113 Gt de CO2 a menos do que em nosso principal país. previsão, ajudando significativamente os esforços globais para atingir zero emissões líquidas até 2050.

Os pontos de vista e opiniões expressos neste artigo são dos próprios autores, e não refletem necessariamente os defendidos pela pv magazine.

Este conteúdo é protegido por direitos autorais e não pode ser reutilizado. Se você deseja cooperar conosco e gostaria de reutilizar parte de nosso conteúdo, por favor entre em contato com: editors@pv-magazine.com.

Conteúdo popular

Chamada da Aneel recebe propostas para 19 plantas piloto de hidrogênio que somam 100 MW
19 julho 2024 O valor previsto de investimento, considerando as 24 propostas, incluindo além das plantas a produção de equipamentos, é de R$ 2,7 bilhões, o que repr...